Buscando orientação de Deus em decisões difíceis

Pr. Jacson Irio Andrioli

Oração de Eliezer (Gn. 24.12-14)

Nesta noite desejo falar aos vossos corações sobre a forma que buscamos a orientação de Deus para tomarmos decisões importantes.

A propósito, como você tem tomado decisões importantes? Colocando tudo diante de Deus, ou tem seguido em frente? Tem buscado a orientação ou simplesmente tem deixado as coisas andarem conforme a banda toca?

Muitas vezes precisamos tomar decisões importantes e rápidas, mas nem sempre temos a resposta certa. Diante disto, onde procurar a orientação sábia e madura para a decisão???

Nas páginas do jornal em que estão o horóscopo? Nas dicas dos livros de interpretação de sonhos? Nas sugestões da numerologia, cigana, vidente e etc.?

OU…

“Lâmpada para os meus pés é a tua palavra e, luz para os meus caminhos.” (Salmos 119:105)

“O coração do homem pode fazer planos, mas a resposta certa dos lábios vem do SENHOR.” (Provérbios 16:1)

No texto bíblico de hoje, surge um homem chamado Eliezer, pessoa pouco influente, mas que teve e tem um papel fundamental na vida dos que crêem.

 1. Eliezer, um servo…  Quem era Eliezer?

Este nome aparece somente duas vezes no livro de Gênesis, e numa delas ele aparece fazendo uma oração de súplica. Abraão tinha um filho na idade de casar-se. Naquele tempo os pais geralmente escolhiam com quem seus filhos casariam. Os vizinhos de Abraão eram todos pagãos e adoravam ídolos. Abraão sabia que o casamento com incrédulos não correspondia com a vontade de Deus.

Em II Coríntios 6.14,  Paulo fala a este respeito: “Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos”.

A Bíblia nos adverte a este respeito, e Abraão não queria que seu filho vivesse as conseqüências de uma escolha errada.

Abraão já era idoso e não podia percorrer distâncias muito grandes. Então chamou Eliezer, seu administrador de confiança. Eliezer quer dizer: “Deus é a minha ajuda”. Deu-lhe ordens que fosse para sua terra natal a fim de buscar uma esposa para seu filho. Esta ordem trouxe grandes problemas e dificuldades a Eliezer, que chegou a duvidar de sua capacidade. Mas Abraão confiando na promessa de Deus, trouxe confiança a Eliezer:

“Deus enviará o seu anjo diante de ti e trarás de lá uma mulher para o meu filho” (Gn. 24.7).

Então, Eliezer separou dez camelos de seu senhor, seus pertences e alguns presentes e encaminhou-se para a Mesopotâmia, especificamente a cidade de Naor. Nas proximidades desta cidade fez os camelos ajoelharem perto de um poço. Era no período da tarde, momento em que as moças vão buscar água (G. 24.10-11).

Você já recebeu tamanha tarefa em sua vida? Já imaginou que pensamentos Eliezer teve passando em seus pensamentos?  E se Isaque não gostar… E se eu escolher errado… E se eu for enganado???

Mas ele se lembrava da palavra de seu senhor: “o anjo do Senhor irá diante de ti”. Frente à difícil decisão que teria de tomar, disse: (Ler Gênesis 24. 12-14)

Vemos Eliezer fazendo uma oração de intercessão em nome do Deus de seu senhor, pedindo orientação para não errar em sua tarefa.

“pedis e não recebeis, porque pedis mal,” (Tiago 4.3a)

A proposta de Eliezer era observar a bondade do coração da moça. Esta também é a forma de Deus avaliar-nos, pois o que importa é o coração e não a aparência. Deus vê Eliezer orando desta forma, não lhe fez esperar. A primeira moça que aparece lhe atende ao pedido, dando-lhe água e a seus camelos.

Rebeca tinha seu coração cheio de amor, lhe serviu de forma árdua, pois para saciar a sede de camelos não significa copos de água, mas muitos litros. E desta forma Eliezer teve certeza de que o Deus de seu senhor era com ele. (Ler Gn 24. 27).

Deus é zeloso em cumprir com suas promessas, bem como em zelar dos seus filhos.

2. O que podemos aprender de Eliezer?

Na vida familiar, nossos problemas podem estar por exemplo: na educação dos filhos, que diante do mundo de hoje com suas constantes e rápidas mudanças, se torna extremamente difícil.

Artur da Távola escreveu uma oração de um pai a respeito da educação de um filho:

“Se lhe digo o que penso, invado sua liberdade.

Se nada falo, peco por omissão.

Se discuto, acabo impondo.

Se imponho, esmago.

Se calo, consinto.

Se consinto, acabo perdendo-o

e isso não saberei suportar…”

Outro problema é a escolha da profissão certa ou emprego adequado. Sim, a vida requer de nós pequenas e grandes decisões a toda hora. Problemas vem e vão e nunca terminam, como reconhecer a vontade de Deus? Quais as decisões a serem tomadas?

Eliezer tinha um problema grande e difícil de ser resolvido. A bíblia ilustra esse problema para que o tivéssemos de exemplo como uma das maneiras de agir em situações difíceis.

 3. Sugestões práticas:

Quando nos deparamos com decisões difíceis, há duas coisas que devemos considerar:

**1ª como filhos de Deus temos o privilegio de apresentar nossos problemas. Cada um de nós é um pensamento de Deus, sendo assim Deus tem um plano maravilhoso para cada um de nós. (Salmo 139.13-16), contudo Deus nos concede a livre escolha. A Bíblia nos convida a apresentar a Ele nossas petições. Salmo 37.4 “Agrada-te do Senhor, e ele satisfará aos desejos do teu coração.” Deus nos atende com alegria.

**2ª, temos que procurar descobrir a vontade de Deus. Para aqueles que quiserem viver dependendo de Jesus Cristo, a pergunta pela vontade de Deus é muito importante. Mas, como descobri-la?

Agora vamos ver estas respostas…

a) A palavra de Deus

Na bíblia temos cerca de 50 biografias, nestas estão abordados muitos problemas. A Bíblia também fala de noivados, casamentos, da educação de filhos, de negócios e trabalho, tempo de férias e de doença.  Em outras palavras, não existe situação vivida por nós que não tenha sido retratada pela Bíblia. Sendo assim, a Bíblia pode nos oferecer respostas e orientações para nossas difíceis decisões.

b) Pergunte a opinião de pessoas seguidoras de Jesus

Mas preste a atenção, pois a escolha desta pessoa precisa ser feita com sabedoria. Conte com uma pessoa que seja de confiança, que tenha princípios bíblicos bem estabelecidos em sua vida, firmeza de fé e bom testemunho.         Caso contrário, pode ter um segredo espalhado por ai…

c) Ore e espere

Fique tranqüilo, Deus conhece o seu endereço, e te fará saber de seus propósitos, é claro dentro do tempo e da maneira dele. Na época do Antigo Testamento Deus falava por meio de sonhos, provas e sorteios, naquele tempo ainda não havia a palavra impressa como temos hoje. Nos nossos dias temos a bíblia, a Palavra de Deus, temos o Espírito Santo, o consolador. Dificilmente Deus fala diferente de sua palavra, sendo assim é de grande importância a estudarmos, entendermos e praticarmos sua palavra. É claro, em ocasiões especiais, Deus pode nos falar por meio de outras revelações.

d) É claro, depois de tudo, não se esqueça de agradecer, quando o problema foi solucionado

No Novo Testamento temos um exemplo: Lucas 17, os dez leprosos que foram curados por Jesus, depois do milagre eles foram apresentar-se diante dos responsáveis para constatar a cura, mas depois da constatação somente um voltou e expressou gratidão a Jesus. Jesus admirado pergunta: “E onde estão os nove?” (Lucas 17.17). Aquele que ale de receber a cura, recebeu também um acréscimo, a benção de Jesus.

A gratidão é o inicio da alegria. O agradecimento nos abre muito mais portas para recebermos tesouros espirituais. Eliezer não se esqueceu de agradecer a Deus pela resposta de oração.

“Então, se inclinou o homem e adorou ao SENHOR.” Gn. 24.26

Grande foi sua gratidão, pois Deus o conduziu em vitória diante da grande tarefa que Abraão havia lhe dado, e certamente sua autoconfiança não ficou abalada.

 Conclusão:

Um estímulo para as nossa orações:

Se você tem um grande problema, creia que você também tem um grande Deus. Mas para um grande problema somente uma grande oração nos ajudará a termos uma decisão acertada, então ore:

  • Para que Deus lhe encaminhe a solução;
  • Para que Deus lhe dê força e compreensão para aceitar a direção;
  • Para que Deus aumente a sua fé, para que você possa crer no amor divino, mesmo não sentindo nem vendo que Deus está tratando do seu problema pessoal;
  • Para que você tenha um espírito de gratidão e adoração quando o problema estiver resolvido.

Jeremias nos dá a dica:  “Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração.” (Jeremias 29:13)

fonte: http://www.iecdpg.org.br/?p=2033

Senhor dos Exércitos, Rei

“Socorre-me, Senhor
Escuta o meu clamor
O inimigo quer me oprimir
Procura sempre me destruir
Com coisas vãs quer me seduzir
Com seus enganos sutis
Não me deixes cair
Não me deixes tropeçar
Esconde-me em ti
Pois só assim ele não vai me achar

Guerreia por mim
Glorioso Senhor, Poderoso nas batalhas
Tu és o meu escudo e arma de guerra
Envia teus anjos pra pelejar
Em meu favor nesta batalha
Tu és o Senhor dos exércitos, Rei
Tu és o Senhor dos exércitos, Rei

Eu sou o teu Senhor
Ouvi o teu clamor
Não temas, pois eu estou aqui
Com meu poder te revesti
O inimigo eu já venci
Maior sou eu em ti
Maior sou eu em ti
Maior sou eu em ti

Não te deixo cair
Não te deixo tropeçar
Em Jesus te escondi
E assim o inimigo não vai te achar

Guerreio por ti
Sou glorioso Senhor, Poderoso nas batalhas
Eu sou o teu escudo e arma de guerra
Envio os meus anjos pra pelejar
Em teu favor nesta batalha
Eu sou o Senhor dos exércitos, Rei
Eu sou o Senhor dos exércitos, Rei”
(Diante do Trono)

 

Acima das nuvens escuras brilha o sol

Uma chuva forte batia contra o avião à medida que ele se dirigia para a pista de decolagem do Aeroporto Internacional do Galeão, no RJ. “A decolagem será um pouco turbulenta”, explicou o piloto pelo alto-falante de bordo, “mas dentro de instantes atravessaremos esta camada de tempo ruim.”  Nuvens escuras pareciam desafiar o avião e impedir que deixasse a terra, mas os possantes motores rugiram e logo o jato levantou-se em meio àquele aguaceiro. Lutando através da turbulência, em apenas poucos minutos o avião rompeu o teto negro que o cobria, e penetrou num céu azul de Sol brilhante. Os passageiros suspiraram, e através das janelas molhadas podiam ver, por debaixo deles, um oceano de nuvens brancas.

Assim como, antes do avião decolar, parecia impossível a qualquer passageiro de primeira viagem imaginar que acima daquela tempestade houvesse um tão lindo céu, assim pode também acontecer com você e seus problemas.

Quando as dificuldades apertam, a vida pode parecer escura e até lúgubre, e a fé, por vezes, não avança até onde está a paz de Deus. É possível que nesta manhã eu esteja falando para você que está desanimado por causa de problemas de família, tais como dificuldades financeiras, doenças, um irmão ou uma irmã delinquente, pais briguentos, filhos rebeldes, etc.

É possível que você esteja preocupado com problemas pessoais. Talvez tenha hábitos dos quais não consegue se livrar, talvez não esteja indo bem nos estudos, talvez encontre dificuldades com companheiros, ou dificuldades no trabalho, ou a falta dele, quem sabe esteja até confuso a respeito de Deus. É possível que você esteja fazendo a si mesmo as grandes perguntas da vida: Por que estou aqui? Que é a vida? Para onde vou?

E é assim que você começa a pensar se será possível levantar-se acima das nuvens negras destas dúvidas e deste desânimo! Posso eu, dirá você, encontrar o sol da esperança e da realidade?

Pode!  A voz de Deus falando através das páginas da Bíblia, dar-lhe-á segurança de que Ele ainda está com o controle de tudo em Suas mãos. Ele cuida de você e quer pilotar a nave da sua vida através de todos os seus problemas.

Quer você renovar a sua experiência com Deus?  Gostaria de saber como outros resolveram, com sucesso, problemas semelhantes aos seus? Então, procure um lugar quieto onde possa meditar. Faça uma oração curta e sincera a Deus pedindo-Lhe Seu Espírito para que, à medida que for estudando, você possa ver mais aquilo que Ele tem para lhe mostrar. E tenha certeza que o sol da vida, que brilha acima das nuvens escuras, brilhará também em você.

fonte: http://novotempo.com/amiltonmenezes/audios/acima-das-nuvens-escuras-brilha-o-sol/

Lições da Vida de um Homem Fiel

A Integridade de Jó
[As citações bíblicas neste artigo que não incluem o nome do livro são de .]

Satanás ficou diante de Deus e acusou Jó de ser interesseiro. Ele alegou que este homem fiel servia a Deus somente porque recebia bênçãos e proteção do Senhor. Mas Deus conheceu o coração deste homem da terra de Uz, e sabia que era, de fato, um homem sem par, “íntegro e reto, temente a Deus e que se desvia do mal” (Jó 1:8). Séculos depois, Deus citou o nome de Jó como um de três exemplos de homens que se mostraram retos em circunstâncias difíceis (Ezequiel 14:12-20). Passaram ainda outros 2.600 anos da profecia de Ezequiel até hoje, e Jó continua como um excelente exemplo de um homem íntegro.

Um Resumo da História de Jó

A história de Jó se resume em duas discussões entre Deus e Satanás, a aflição de Jó pelo Adversário, uma série de debates nos quais Jó e alguns amigos procuram entender o seu sofrimento, e as respostas do próprio Senhor no final do livro.

Jó viveu na época dos patriarcas, provavelmente entre Noé e Abraão, em termos de cronologia. Não sabemos nada sobre a sua linhagem, mas as Escrituras relatam que foi um homem muito fiel a Deus. Jó era casado, com dez filhos, e era o homem mais rico da região onde morava.

Mas Satanás, o acusador dos servos de Deus, alegou que a fé de Jó era superficial e interesseira. Para provar que o diabo estava errado, Deus permitiu que o Adversário atormentasse Jó. Ele tirou a riqueza, os filhos e a saúde deste homem íntegro, mas Jó não se virou contra Deus.

Amigos de Jó tentaram confortar o sofredor, mas acabaram aumentando a sua aflição. No seu entendimento limitado da justiça e da sabedoria do Soberano Deus, eles acusaram Jó, falsamente, de ser um terrível pecador que recebia castigo divino merecido. Jó, sendo fiel, não podia mentir e admitir pecados que não havia cometido. Ele discutiu com os amigos e negou as suas acusações pesadas. Mas ele, também, não compreendia os motivos do seu sofrimento (estes homens não sabiam das conversas entre Deus e Satanás). Ele queria perguntar para Deus e se defender diante do Criador, mas não tinha acesso ao Senhor. Depois de vários debates com seus amigos, Jó ouviu as palavras de Deus no final do livro. Deus ainda não explicou tudo para ele, mas relembrou Jó e seus amigos que ele é o Soberano e Onisciente Deus, Criador e Sustentador do Universo.

Perspectivas Diferentes sobre Jó

O problema específico abordado no livro de Jó é o sofrimento deste homem. As conversas relatadas ao longo do livro apresentam basicamente quatro perspectivas diferentes sobre Jó e sua circunstância.

A Perspectiva de Jó: Este homem não se achou perfeito, mas ele se considerou justo. Ele não reconhecia nenhum pecado que traria sobre ele a ira de Deus. Até sentiu a confiança para falar para Deus: “Quantas culpas e pecados tenho eu? Notifica-me a minha transgressão e o meu pecado” (13:23). É difícil alguém se apresentar com tanta confiança diante do Santo Deus. Hoje, nós podemos ter confiança diante do trono de Deus somente por causa da intervenção de Jesus, o nosso Sumo Sacerdote e sacrifício perfeito e eficaz (Hebreus 4:14-16; 10:19-22).

A Perspectiva dos Amigos de Jó: Os amigos de Jó, como muitos falsos mestres hoje, acreditavam que a circunstância na vida sempre refletia a sua posição diante de Deus – pessoas más sofrem, e pessoas que servem a Deus param de sofrer. Elifaz, um dos amigos, afirmou: “Todos os dias o perverso é atormentado” (15:20). Devido a esta atitude, eles concluíram que Jó estava sofrendo por causa de pecados na sua vida. Acusaram Jó de crimes terríveis (22:5-11) e o criticaram por não confessar pecados (que ele não tinha cometido!). Bildade falou que, se Jó se arrependesse, Deus “sem demora” restauraria a sua prosperidade (8:5-6).

A Perspectiva de Satanás: O diabo não conseguia imaginar um homem fiel somente porque Deus merece honra e adoração. Ele atribuiu aos homens, inclusive a Jó, motivos egoístas. O homem só serve a Deus para receber alguma coisa em troca. Assim, ele pensou, se tirar as bênçãos da vida da pessoa (Jó, neste caso), ela rejeitaria o próprio Senhor. A mulher de Jó caiu no mesmo pensamento errado (2:9), mas Jó repreendeu a tolice dela e manteve sua integridade (2:10). É triste observar quantos pastores hoje pensam como Satanás. Ao invés de engrandecer o nome de Deus porque ele é Deus, pregam doutrinas carnais e incentivam as pessoas a servir a Deus por motivos interesseiros. Distorcem textos bíblicos para defender suas mentiras de prosperidade e saúde nesta vida, e até se exaltam diante de Deus, exigindo que ele faça o que o homem quer! Se você serve a Deus só porque recebe ou espera receber bênçãos dele, o triste fato é que você não serve a Deus. Deus merece adoração porque ele é o Criador, Redentor e Senhor de todos nós. Devemos adorar a Deus porque ele é Deus!

A Perspectiva de Deus: Uma das coisas mais impressionantes do livro de Jó é a avaliação divina deste homem. Foi Deus que disse: “Observaste o meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem íntegro e reto, temente a Deus e que se desvia do mal” (1:8). Deus sabia que a fé de Jó não se baseava nas coisas que ele tinha. Jó, como homem, sabia muito bem quem é Deus. Mesmo depois de Jó sofrer tanto e mostrar a sua confusão sobre o papel de Deus, ele continuou respeitando o Senhor. Ele pediu perdão por ter questionado o Soberano (42:1-6). Deus aceitou o humilde serviço de Jó, e mandou que os amigos dele pedissem a intercessão deste homem justo para procurarem perdão por suas palavras erradas (42:7-9).

O que aprendemos?

Há muitas perspectivas divergentes, até sobre cada um de nós. A nossa própria perspectiva é importante, mas não é uma avaliação garantida. O homem pode ter uma consciência limpa, mas ainda estar errado diante de Deus. Paulo se achava certo ao perseguir cristãos (cf. Atos 22:3-5; 23:1). Algumas pessoas que se acham fiéis terão uma surpresa eternamente desagradável no Dia final (Mateus 7:21-23). Mas, devemos buscar a integridade para manter a consciência limpa. Jó sabia de sua própria conduta, e viveu conforme os princípios de Deus (31:1-40). Ele falou que vigiava para manter a pureza sexual, até nos pensamentos (31:1,9-12; cf. Mateus 5:27-29). Ele foi honesto em todos os aspectos da sua vida (31:5-8). Tratava bem as pessoas, inclusive servos e pobres (31:13-23). Não confiava nas coisas materiais (31:24-28). Não odiava e não se vingava (31:29-30). Não escondia seus erros (31:33-34). Nós precisamos fazer como Jó, e comparar as nossas vidas aos princípios revelados por Deus para ter confiança da nossa comunhão com o Senhor: “Ora, sabemos que o temos conhecido por isto: se guardamos os seus mandamentos” (1 João 2:3).

A avaliação de outros pode nos ajudar, especialmente quando pessoas fiéis ao Senhor corrigem os nossos pecados. Mas outras pessoas podem errar, condenando os justos e aprovando os pecadores. Não é a opinião popular que nos julgará, e muito menos a avaliação do Adversário!

No final das contas, a única avaliação que realmente importa é a de Deus. O que ele acha da minha vida, e da sua? Ele é o Juiz perfeitamente certo em todas as suas decisões. Todos nós seremos julgados pela palavra de Jesus (João 12:48). Deus dará a recompensa da vida eterna aos fiéis, porque ele é o reto juiz. Paulo disse: “Já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda” (2 Timóteo 4:8). Mas o mesmo Juiz tomará “vingança contra os que não conhecem a Deus e contra os que não obedecem ao evangelho do nosso Senhor Jesus. Estes sofrerão penalidade de eterna destruição, banidos da face do Senhor e da glória do seu poder” (2 Tessalonicenses 1:8-9).

Davi, no seu arrependimento, disse: “Bem-aventurado aquele cuja iniquidade é perdoada, cujo pecado é coberto” (Salmo 32:1). A avaliação de Deus da nossa vida pode mudar. Ele pode esquecer dos nossos pecados e nos aceitar como pessoas justas – justificadas pelo sangue de Jesus. “Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo, – pela graça sois salvos” (Efésios 2:4-5; cf. 1 Coríntios 6:9-11). “Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor” (Romanos 7:25). Graças a Deus mesmo!

– por Dennis Allan

fonte: http://www.estudosdabiblia.net/d176.htm

A nova vida em Cristo (Efésios 2.1-10)

Introdução: O apostolo Paulo ao dirigir-se aos Efésios no capitulo 2,  leva-os a uma avaliação de tudo o que estão vivendo, pois o evangelho já havia sido lhes pregado e penetrado os seus corações.

Então Paulo começa a destacar alguns pontos importantes na trajetória de vida dos efésios, a começar pelo passado e avançando para o presente e futuro de suas vidas, mostrando desta forma a atuação progressiva da graça de Deus nas suas vidas. Vejamos:

A realidade do nosso passado e das pessoas que não tem Deus.

Paulo relata o estado em que nos encontrávamos antes de conhecer a Cristo. Estávamos mortos em nossos pecados e delitos (transgressões) Rm. 6:23 diz que o salário do pecado é a morte, e esta é a realidade das pessoas que ainda não encontraram a Cristo, estão mortas, afastadas de Deus, pois este é o pagamento recebido pelo pecado.

Vivíamos também conforme o curso deste mundo, dominados pelas trevas, cativos de um principado de desobediência. Pois naquele tempo Paulo já identificava uma atuação espiritual para levar as pessoas a desobedecerem a Deus. Eram induzidos ao erro por estarem dominados por esta força espiritual.

Em Mateus 12:24 identificamos no texto que existe um príncipe sobre os demônios, este se chama belzebu, o próprio satanás e por não ser onipresente, não pode estar em mais de um lugar ao mesmo tempo, ele opera por uma rede de demônios, que são espíritos malignos sob seu comando e infelizmente também nos filhos da desobediência que são aqueles que ainda não se renderam a Cristo.

Paulo conclui com a seguinte afirmação: “Nós também éramos assim”.

A realidade do nosso presente transforma o que esta em nosso entorno.

O grande efeito desta mudança é que agora passamos a ter vida. Antes mortos, agora pela misericórdia e amor de Deus recebemos a vida. Isto não ocorre por nossos méritos, mas pela graça, imensa graça de Deus sobre nós. O favor de Deus chegando até nós e “nós o aceitando”. Graça é igual a favor imerecido, a salvação é um presente de Deus a nós. Não alcançamos a salvação por obra alguma, mas por arrependimento de uma vida de desobediência.

Esta transformação ocorre porque ressuscitamos com Cristo, ou seja, saímos de uma atmosfera de morte (separados de Deus), para estarmos agora assentados com Cristo nos lugares altos, lugares celestiais. Deus nos oportunizou a estarmos com Cristo nas alturas – É uma vida totalmente diferente, envolvida por outra atmosfera e quem esta em nosso entorno identifica isso. Os que estão convivendo conosco, aqueles que nos rodeiam começam a identificar a bondade de Deus sobre nós (v.7).

O nosso futuro é o resultado do nosso presente.

A nossa salvação é pela graça de Deus mediante a fé doada por Deus, não é algo nosso mas, é dom de Deus. Eu não preciso ter fé para aceitar a salvação, eu só preciso querer ser salvo. A fé ela é acrescentada pois é um presente de Deus. È dom de Deus (v.8).

Quando eu decido não decido por uma emoção, mas porque entendi que Deus me ama e quer me salvar – 1ª Tm. 2:4 “Deus deseja que todos os homens sejam salvos”. Se alguém me oferece um presente preciso ter fé para recebê-lo?

Quando eu decido recebo uma semente de fé, e esta semente vai se desenvolvendo para que eu possa aprender mais da plenitude de Deus ao meu favor. Aprender como Deus se relaciona com seus filhos, pois se o aceitei me tornei filho. O resultado prático de tudo isso em nossas vidas é que a gora começamos  a produzir as boas obras ao qual Deus já esperava que as fizéssemos, pois é isto que está no propósito de Deus para com nossas vidas.

E a principal boa obra que Deus espera que façamos é a de manifestar o que Deus tem realizado em nós, depois que decidimos servir a Ele.

“Uma Esmola pode ajudar alguém por um momento, mas uma oração pode ajudar alguém para o resta da vida dela”.

Este é o futuro que Deus reservou para nós, mostrar nas eras futuras a incomparável riqueza da sua graça em Cristo Jesus.

Conclusão: O meu passado ficou para traz, Cristo me libertou e me reconciliou com Ele e no presente estou assentado nas alturas, desfrutando de sua incomparável riqueza, e para que ali adiante num futuro bem perto todos possam desfrutar do mesmo presente que tenho recebido de Deus pela minha decisão de ter Ele como o meu Deus e meu Senhor.

Se você deseja esta nova vida, esta é a trajetória de quem decide viver nesta nova vida, uma vida de superação do que lá atrás resultou em morte, mas que no presente pela decisão em Cristo é vida.

José Carlos, pr

fonte: http://comunidadesemear.org/index.php?option=com_content&view=article&id=151:a-nova-vida-em-cristo-efesios-21-10-palavra-celula&catid=3:celula&Itemid=15